Evento lembra legado de estudante morto pela ditadura

Quarta-feira, 20 de Março de 2013 - Última alteração em 20/03/2013 às 00:00
fonte:  Assecom Uniso
Alexandre Vannucchi foi preso aos 22 anos e torturado até a morte, tornando-se um dos símbolos de resistência ao regime militar
Alexandre Vannucchi foi preso aos 22 anos e torturado até a morte, tornando-se um dos símbolos de resistência ao regime militar
Ampliar
Alexandre Vannucchi foi preso aos 22 anos e torturado até a morte, tornando-se um dos símbolos de resistência ao regime militar
Alexandre Vannucchi foi preso aos 22 anos e torturado até a morte, tornando-se um dos símbolos de resistência ao regime militar

Nesta quinta-feira, dia 21, os cursos de História, Geografia e Relações Internacionais promoverão uma mesa-redonda em memória do estudante sorocabano Alexandre Vannucchi Leme, morto em 1973 pela ditadura militar. O evento terá início às 19h30, no Salão Vermelho do câmpus Trujillo (Av. General Osório, 35, Trujillo).

Participarão da mesa-redonda a professora Maria Aparecida de Aquino, docente de História Contemporânea aposentada da USP, e atualmente professora do curso de Relações Internacionais da Uniso; o jornalista e cientista político Paulo de Tarso Vannuchi, ex-Ministro dos Direitos Humanos; o Deputado Estadual Adriano Diogo, presidente da Comissão Estadual da Verdade; e o Procurador do Ministério Público Federal, Sérgio Suiama.

Anistia 

 No último dia 15, a Comissão de Anistia do Ministério da Justiça e a 68ª Caravana da Anistia reconheceram Alexandre Vannucchi Leme como anistiado político, em um ato solene realizado no Instituto de Geociências da USP. Estudante de Geologia da USP e membro da Aliança Nacional Libertadora (ANL), Alexandre foi preso aos 22 anos e torturado até a morte, tornando-se um dos símbolos de resistência ao regime militar.

Comentários

Voltar